Eu não aguento mais. Nos últimos dias, me sinto como um buraco negro que só traz coisas ruins pras coisas e pra quem está por perto. Eu vinha falando que era karma, mas é mais como se estivesse sugando a energia das coisas e fazendo com que tudo se estrague por perto.

Eu me sinto mal. Os dias já foram felizes e melhores. Mesmo quando estou em dias tristes, ainda tinham momentos felizes. Não mais. A solidão continua me atingindo, cada vez mais forte, e fazendo eu mergulhar cada vez mais fundo no poço. …


Nesse último dia de fevereiro (e não dia 24 de outubro), meu namoro chegou ao fim. Uma pessoa que passou rapidamente pela minha vida, mas que marcou de um jeito incrível. Uma pessoa que me ensinou muito e que trouxe sentimentos que há muito tempo eu não sentia.

Uma pessoa que fez eu me empolgar novamente em ter uma CNH para poder guiar um fusca 78. Uma pessoa que fez eu me empolgar em colocar a mão na massa e consertar carros antigos com as próprias mãos. Uma pessoa que me trouxe novamente a sensação de pertencer a uma família.


Logo na semana seguinte que recebi alta, me afundei. De uma forma que não acontecia há muitos meses. De uma forma que eu não gostaria de relembrar. De uma forma que eu não gostaria de afundar. De uma forma que fez eu ver que não estou preparado para a “alta”.

São tantos fatores, alguns importantes outros nem um pouco, mas parece que qualquer coisa meio ruim que acontece, vira uma tempestade de problemas horríveis. Isso me consome. Isso me destrói. Isso traz pensamentos à minha cabeça que eu não gostaria que aparecessem novamente.

Como posso passar meses tão bem, tão confiante, tão feliz, tão seguro e, do nada, cair como um meteoro até bater no fundo do mar? Por que eu acho que estou preparado pra essa queda, mas eu nunca estou? Eu não aguento mais.

Eu só quero sumir.


Eu nunca achei que ia ouvir a frase “acho que você já pode receber alta”. Essa frase sempre esteve longe das coisas que eu almejava na minha vida, mas quando eu ouvi, eu fiquei totalmente extasiado. Foi uma mistura de sentimentos explosivos no meu corpo, como há tempos não sentia.

Foi uma mistura de confusão por nunca esperar que isso fosse possível, com felicidade por saber que cheguei nesse ponto de sucesso e um leve desespero por não saber como eu lidaria com a possibilidade de nunca mais ver minha terapeuta. …


Quando eu a vi a primeira vez, meus olhos brilharam. Aquele cabelo colorido, aqueles olhos que transbordavam felicidade, o olhar sereno e em paz, a citação no livro, o gato. Tudo me chamava atenção, eu precisava dar aquele “super like”.

Poucos dias depois, match! Ai, meu coração. Não podia acreditar que uma mulher daquelas tinha gostado de mim e ia me dar a chance de conhecê-la. Algumas mensagens trocadas durante alguns dias, até que a pergunta que me fez ainda mais feliz: “Vamos conversar pelo Whatsapp?”.

Era tudo que eu queria ouvir. Aquilo era um passo à frente, ela não…


Demorei muito pra escrever, né?! Cada dia que passa eu (não sei o motivo) coloco prioridades maiores no meu dia, daí acabo não vindo escrever nada. Mas essa é uma meta minha que eu vou completar, não importa quando, eu vou chegar no dia 31.

Como estou numa fase muito boa — que até a minha terapeuta me parabenizou por estar tão feliz e empolgado com a vida — , resolvi aceitar mais uma sugestão de tema daquela mulher maravilhosa (sim, minha psicóloga). Ela me perguntou: “Por que vale a pena viver a vida?”.

Pra mim, essa pergunta parece bem…


Sei que dei uma sumida. Como comentei com a minha terapeuta, é muito mais fácil escrever quando se está triste, do que quando se está feliz. Esse mês que passou, novembro, foi um mês muito feliz para mim. Consegui me desprender de algumas amarras que o passado me trouxe e que, nem por isso, eram ruins. Essa liberdade trouxe um alívio pra mim e uma melhora significativa nos meus dias.

Conheci pessoas incríveis, me conectei ainda mais com a minha terapeuta, consegui dar passos significativos em coisas que queria melhorar em mim mesmo. Consigo identificar e reconhecer onde acertei e…


Não faz muito tempo, estava em uma sessão com a minha terapeuta maravilhosa, e comentei que um dia eu não estava feliz. Porém, também não estava triste. Eu sentia um vazio no meu peito que trazia uma coisa muito ruim.

Claro que ela fez diversas perguntas para tentar entender mais sobre o que eu estava sentindo e passando. Aquela sensação de vazio era algo que me incomodava muito. Me deixava angustiado e sem saber muito onde estava. Era um sentimento que me assustava muito.

Aquilo era estranho, porque era algo que nunca tinha acontecido comigo antes. Eu sempre tive um…


Aquele dia eu tive um sonho muito estranho. Sonhei com a minha ex, de dois anos atrás. Mãe dos meus filhos felinos Guido e Pina. Companheira durante 12 anos. Sonhei que eu morava em São Paulo em um apartamento em que ocupava um quarto e, no outro, morava ela e o atual namorado dela. Ela me ignorava e mal me olhava nos olhos, já ele era super legal comigo. Saia comigo, conversava comigo o dia inteiro. Éramos amigos. Um belo dia era o aniversário dela e eles planejaram sair juntos. Enquanto ele foi tomar banho, eu fui lá para dar…


Desde que meu relacionamento terminou, me senti muito perdido e com medo de como seria viver a pandemia completamente sozinho. Me apoiei em diversas coisas para, além de não ficar mal, aprender a mudar esse conceito que eu tenho que é horrível estar sozinho comigo.

Foquei bastante em meditação e na leitura na praça Osvaldo Cruz aqui do lado de casa. Percebi como ir lá na hora do almoço, para ler sentado na grama me fazia bem. Um dos raros momentos em que eu me sentia bem comigo mesmo, sem me sentir desesperado.

Pouco tempo depois, descobri como era prazeroso…

Dayan Valente

Uma pessoa que veio do nada e hoje é porra nenhuma.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store